5 mitos sobre o que brasileiros encontram nos EUA

 em Notícias

Você participou da Seletiva HTS, jogou um bolão, conseguiu uma bolsa em uma universidade dos EUA e já está fazendo as malas. Mas, então, bate aquele frio na barriga e você se lembra de tudo aquilo que já ouviu sobre pessoas que vão morar em um país diferente. “Será que faz muito frio?”, “Vou sentir saudade de arroz e feijão?”, “Os garotos populares vão fazer algum bullying comigo?”. Pensando em você, que está com todas essas dúvidas malucas, a HTS preparou um Top 5 dos maiores mitos sobre as expectativas de quem vai morar nos Estados Unidos. Confira!

1 – Faz frio demais

Com certeza, o frio do inverno norte-americano é muito mais intenso do que aquele que encontramos no Brasil. Porém, eles estão muito mais preparados para lidar com essas alterações climáticas do que nós. Por lá, a maioria dos lugares conta com aquecimento elétrico. Então, a probabilidade de você sentir frio se resume ao tempo em que estará ao ar livre. Dentro das casas, lanchonetes, universidades sempre há aquecimento para te manter quentinho durante o inverno. Além disso, as roupas de frio são muito mais densas do que as que encontramos por aqui. Casacos, sobretudos, luvas, gorros, botas: tudo isso é bem fácil de encontrar por lá.

2 – Americanos só comem hambúrguer

É verdade que os americanos têm uma queda pelo fast food, afinal, foram eles que inventaram o conceito. Mas se você é um atleta, com certeza vai querer cuidar melhor da sua alimentação. Então é bom saber que nos restaurantes americanos sempre existe uma boa variedade de proteína. Carne vermelha, frango e peixe são servidos em diversas versões. Mesmo os hambúrgueres não são muito parecidos com o que encontramos aqui nas mais famosas lanchonetes fast food: por lá, eles são mais tenros, temperados. Tem ainda o meatloaf, uma espécie de bolo de carne, sempre servido com uma porção de legumes ou purê de batatas. Mas, se você ainda está se perguntando: “tem feijão?”, nós te tranquilizaremos. Tem sim. Só que ele costuma vir em latas, já cozido, misturado com um pouco de água. Misturado a uma boa porção de arroz, carne e salada, você nem vai sentir tanta saudade da comida do Brasil.

3 – Vou ser vítima de bullying

É verdade que a sociedade americana ainda tem grandes avanços para fazer na direção do combate ao bullying, sobretudo entre os jovens que cursam o Ensino Médio. Sabe aqueles filmes em que sempre tem a garota popular, o atleta famoso e o nerd jogado para escanteio? Isso realmente acontece por lá. Porém, essa realidade costuma mudar bastante no ambiente universitário. Por regra, a fase universitária significa uma ruptura com o modelo de vida adotado até então. A garota que era popular no colégio não necessariamente será também popular na universidade. Os interesses são outros. É um momento de descobertas, de transformações. Além disso, você não será o único estrangeiro no ambiente universitário. Atualmente, há jovens do mundo todo experimentando as possibilidades de estudo nos Estados Unidos. Importante mesmo é criar laços com aqueles que têm gostos e pensamentos parecidos com os seus, formando uma boa rede de amigos. No time de futebol, isso acontece quase que naturalmente.

4 – Americanos são pessoas frias

Não é bem assim. Estamos acostumados ao acolhimento brasileiros. Sabe aquele: “passa lá em casa para tomar um café”? Então, nos Estados Unidos não funciona dessa forma. E isso não quer dizer que eles são frios, mas que eles são educados para respeitar a individualidade alheia. No Brasil, se vamos à padaria, logo trocamos algumas palavras com alguém que espera pelo pãozinho ou gracejamos com o padeiro, que já se tornou nosso amigo. Por lá, esse clima de intimidade é reduzido, pois as pessoas entendem isso como uma certa invasão de privacidade. Mas, depois de se enturmar no ambiente universitário, sobretudo fazendo parte do time local, você fatalmente será acolhido pela comunidade. Nos jogos e treinos, a comunidade local costuma ser bastante entusiasmada e participativa.

5 – Nos Estados Unidos todo mundo é sedentário

É verdade que o governo americano vem travando uma guerra contra o sedentarismo nos últimos anos. A própria primeira-dama, Michelle Obama, criou programas que estimulam a prática de exercícios para que a população atinja níveis de saúde mais satisfatórios. Mas, se você é um atleta e faz parte do time da universidade, o sedentarismo vai passar bem longe da sua rotina. Pelo contrário: se aqui no Brasil você estava acostumado a treinos leves antes do jogo, alongamentos e corridinhas, é melhor se preparar. Por lá, o preparo físico é tão importante quanto talento e técnica. Os coaches costumam trazer programas de treinamento específicos, que vão exigir grande estimulação física. Isso porque os campeonatos são muito acirrados, concorridos. Então, ninguém quer perder posições porque os atletas não aguentam correr ou sofrem constantemente por caibras, por exemplo. Para atingir esse nível de qualidade, o sedentarismo é praticamente zero.

Venha dar uma chance ao seu futuro, conquistando uma bolsa esportiva em uma universidade americana. Nós acreditamos no seu talento!

Foto: Freeimages.com/Pablo Rios

Últimos posts

Deixe um comentário